Localizada na América Central, Belize vai lhe colocar no centro da aventura. Viaje nesse texto de Paul Manser para descobrir o melhor do país.

A palavra “Belize” já evoca cenas de um comercial de refri dos anos 80s: visões da rede balançando sobre uma areia branca como farinha enquanto um sol dourado mergulha em plácidas águas azul turquesa. Porém, ainda que as praias de Belize deslumbrem viajantes do mundo todo, o país também possui grandes áreas de floresta relativamente intocada, ruínas maias e, acima de tudo, um povo amigável e tranquilo que acolhem de tapete vermelho os visitantes.

Das densas florestas tropicais às ruínas das antigas cidades e túmulos maias, flora e fauna diversificada e praias de areia branca quase infinitas, não é de surpreender que a pequena Belize esteja rapidamente se tornando um dos destinos mais populares do mundo. Aqui vão sete razões porque Belize é o próximo selo no seu passaporte.

 

As Ruínas Lamanai

Liberte seu Indiana Jones interior nas Ruínas Lamanai. Foto de Bernard Dupont

Você já sonhou estar sendo perseguido ladeira abaixo por uma grande pedra enquanto usa um chapéu de feltro e carrega um chicote de couro? Pois uma viagem ao Belize não seria completa sem libertar seu Indiana Jones interior ao conhecer as Ruínas Lamanai.  Apesar de ser improvável que realmente arrisque sua vida na visita, as ruínas oferecem uma chance única de viver e respirar a cultura maia. Localizada às margens da Lagoa New River no norte de Belize, Lamanai é um dos maiores sítios cerimoniais do país. Consiste em mais de 800 estruturas imersas na densa floresta. Lamanai significa “crocodilo submerso” em maia antigo, tendo sido ocupada já em 1500BC e há algumas partes ainda a serem escavadas.

 

Não deixe de conhecer a história de sucesso da fábrica de molhos picantes Marie Sharp. Foto de Winestem.

A Fábrica de Molhos Picantes Marie Sharp

Para aqueles com um palato delicado, conseguir fazer uma refeição na América Central que não derreta sua língua pode ser um belo desafio. Já para aqueles que gostam de colocar os botões gustativos em aventuras, não há melhor para testar a integridade do seu revestimento estomacal do que a Fábrica de Molhos Picantes Marie Sharp.

Os molhos picantes Marie Sharp são uma instituição em Belize e um dos condimentos mais usados da América Central. Marie Sharp começou a desenvolver receitas de molhos e geleias usando pimentas “habanero”, vegetais e frutas de sua fazenda em 1980. Ela começou a produção num pequena cozinha com a ajuda de parentes, mas a empresa hoje tem mais de vinte funcionários e  é orgulhosa de sua história de sucesso. E lógico, nenhuma visita à fábrica onde essas delícias picantes são produzidas é completa sem uma sessão de degustação para testar sua língua.

 

O Mercado de agricultores de San Ignacio

A sossegada atmosfera do mercado é ideal para um passeio matutino. Foto de Alex Berger

Visitar o Mercado de agricultores de San Ignacio é caminhar pela singular mistura cultural que compõe a moderna Belize. O mercado abriga crioulos, mestiços, maias e asiáticos juntos logo que o sol nasce na praça próxima ao centro da cidade. Ainda que o mercado ocorra sete dias por semana, sábado é quando os locais vêm em peso vender sua produção e seu artesanato e é, portanto, o melhor dia para visitá-lo.

A atmosfera relaxada do mercado é ideal para um passeio matutino com direito a provas gastronômicas. Os visitantes podem perguntar aos vendedores sobre os produtos que não conhecem, pois estes ficarão felizes em lhes dizer o nome, se a fruta está madura e como comê-la. Aqueles que precisarem curar qualquer indisposição com a tradição maia (talvez dor de estomago depois de exagerar no molho picante) poderão aproveitar pois o mercado possuir herboristas profissonais especializados nos antigos remédios maias.

 

A Barreira de Corais de Belize. Foto de Paul Manser.

#reeflife

Abrigando o segundo maior recife de corais do mundo, Belize tem cerca 300km de corais logo ali próximo a sua costa de cartão posta. Com uma grande variedade de peixes e vida marinha (incluindo algumas espécies que não ocorrem em mais nenhum lugar do mundo), a Barreira de Corais de Belize é visita obrigatória para quem ama o mar e oferece alguns dos melhores points para mergulho de snorkel do hemisfério norte.

A maravilha mais conhecida do sistema de corais de Belize foi feita famosa por Jacques Cousteu nos anos 70. Parecendo um poço sem fundo perto do Recife do Farol, a cerca 70km da costa do Belize, está o “Great Blue Hole”, uma piscina calcária perfeitamente circular com mais de 400m de diâmetro e 145m de profundidade. O lugar é considerado um dos melhores points de mergulho do mundo com suas águas azuis cristalinas e visibilidade incomparável.

 

 

A Jovem de Cristal

A memorável Jovem de Cristal. Foto de Anti Nissinen

É inacessível, subterrânea e perturbadora, mas também uma das experiências mais singulares de toda a América Central. O esqueleto de uma jovem de dezoito anos deitada no chão de uma caverna com as costas quebradas foi descoberto numa remota floresta na Reserva Natural Tapir Mountain em 1989. O esqueleto da Jovem de Cristal tem mais de mil anos e está totalmente calcificado, o que significa que os ossos brilham misteriosamente no seu santuário subterrâneo.

Para ver a Jovem de Cristal, o viajante tem que caminhar por 45 minutos até a entrada da caverna Actun Tunichil Muknal, flutuar ou nadar por piscinas profundas, percorrer cuidadosamente as formações de calcita, vastos salões como “a Catedral” e passar por esqueletos dos sacrifícios rituais maias aos deuses. Usando um capacete e uma lanterna, o viajante poderá não apenas ver a Jovem de Cristal, mas também o resultado do violento sistema de crenças dos maias nos restos mortais de pessoas sacrificadas com até um ano de vida apenas.

 

Uma competição de batuque Garafuna. Foto de Parm Parmar

Conheça o batuque Garafuna

Descendentes do Oeste Africano, da África Central, das Ilhas do Caribe e do povo Arawak, os Garafunas vivem ao longo da costa do Caribe no Belize, na Guatemala, na Nicarágua e em Honduras. Possivelmente incluindo descendentes do naufrágio de um barco de escravos, o povo Garafuna que vive hoje no Belize são orgulhosos de sua cultura. Não há maneira melhor de conhecer a rica história dos Garafuna do que tendo uma aula interativa de batuque e a dança tradicional em uma das muitas escolas especializadas, onde o senso de ritmo não é obrigatório, mas a vontade de balançar os quadris é.

 

Observação de peixe boi em Caye Caulker

Olha o peixe-boi! Foto de “Just a one way ticket”

Você sabe que você está num lugar que leva o relaxamento à sério quando o único farol de transito da ilha instrui bicicletas e carrinhos de golfe a andar devagar. A pequena ilha de Caye Caulker tem apenas mil habitantes permanentes, mas está ficando cada vez mais popular entre os viajantes atraídos por suas mornas águas caribenhas e seu ritmo de vida tranquilo.

Caye Caulker é um dos melhores lugares no planeta para se ver os peixe-boi, ameaçados de extinção, no seu ambiente natural. Há passeios de barco diários de Caye Caulker ao Santuário de Vida Silvestre Swallow Cave onde algas epífitas forram o fundo do oceano e fornecem alimento para a população de peixe boi das Antilhas. O Santuário opera com regras rigorosas e não é permitido nadar com os animais. Por outro lado, são encorajadas as fotos, as filmagens e a emissão de sons como “uau” e “ohhh”.

 

Traduzido do texto original de Paul Manser.