As dicas da maratonista, viciada em fitness Charlie Watson para chegar ao Topo da África.

 

Quando você anuncia a amigos e família que vai enfrentar a incrível escalada do Kilimanjaro na Tanzânia, de repente parece que todo mundo se torna um especialista, distribuindo dicas e conselhos bem-intencionados – tendo eles mesmos escalado o Monte ou não. Como sempre, alguns desses conselhos são úteis, muitos deles não.

O melhor conselho que me foi dado, e que estou repassando, é respeitar a poderosa montanha. Mas com tantas opiniões por aí, é difícil saber quais realmente levar à sério. Por isso, vamos desafiar muitos mitos com algumas das verdades (e uma mentira) sobre a subida ao topo da maior montanha da África.

 

A altitude afeta todos de diferentes maneiras

A altitude tem uma maneira horrível de se aproximar de nós quando menos estamos preparados e pode afetar pessoas do seu grupo que você não imaginaria que poderiam ser afetadas. Mesmo o aparentemente mais apto pode não escapar de seus efeitos, que incluem dores de cabeça, enjoo e tontura. Todos estes sintomas ocorreram em nosso grupo. No entanto, isso não significa que não dá para seguir em frente. Seja sensato, respeite a altitude e tome nota de como você está se sentindo. Converse com seu médico sobre medicamentos e tome alguns suplementos naturais de gengibre e coca para ajudar com os efeitos.

Esteja ciente dos efeitos da altitude.

 

 

Você vai comer loucamente

Trouxe uma infinidade de lanches comigo e comi todos eles, bem como as refeições de três pratos duas vezes ao dia. Você queima muitas calorias por dia – embora possa reconquistá-las rapidamente. Amigos falaram sobre a perda de peso enquanto escalam o Kilimanjaro – não é sempre assim. Se você viaja com um grupo organizado acompanhando com um chef como o nosso, será abençoado com sopa fresca, panquecas, bolinhos de abacaxi, muffins, chocolate quente e pipoca. Por isso, o chef rapidamente virou nosso ídolo. O guia maravilhoso que nos trazia café da manhã e chá na cama também.

Espere comer muito bem!

 

 

 

Ir ao banheiro no meio da noite é horrível

Verdade. É muito frio e muito escuro no acampamento, e com a quantidade de água que você tem que beber durante o dia para manter-se hidratado (3 a 5 litros), o xixi noturno é inevitável. Embora os vasos sanitários das bases não sejam ruins, o banheiro portátil do grupo fez toda a diferença para os intervalos de “conforto” da meia-noite.  O truque para a saída até o banheiro? Tenha seu gorro, casaco e sapatos facilmente acessíveis ao lado do seu saco de dormir, e certifique-se de mapear mentalmente o acampamento antes de ir dormir. Muitas das barracas são iguais e você não quer se aconchegar acidentalmente no lugar errado.

 

É tudo uma questão de camadas…

De noite, usava oito blusas e quatro pares de calças, e ainda sentia um pouco de frio. As muitas camadas de roupa são suas melhores amigas no Kilimanjaro. Elas vão ajudá-lo a ficar confortável durante as mudanças de temperatura ao longo do dia, bem como quentinho à noite. Também recomendo uma garrafa de água de metal para usar como bolsa térmica à noite. Mantenha suas camadas mais técnicas (térmicas e de seda, por exemplo) mais perto do corpo para maximizar o potencial de absorção e aquecimento do suor, com camadas mais grossas e pesadas do lado de fora.

Esteja preparado para todos os tipos de clima, vestindo camadas de tecidos apropriados.

 

Ande incrivelmente devagar

Mantenha o passo lento e firme. Isso vai te salvar no caminho, então ouça seus guias quando eles disserem para ir devagar. Nosso grupo realmente andou tão lentamente que acabamos demorando mais que a média para chegar a cada campo base, mas todos nós chegamos ao topo! Infelizmente, o tempo de caminhada diário não pode ser atualizado para dar conta do nosso ritmo lento, o que causou alguns momentos de desanimo. No entanto, tivemos que lembrar que para avançar dependemos do ritmo. Você caminha num ritmo lento para ajudar seu corpo a se ajustar à altitude. Evite o excesso de esforço a todo custo. A taxa mais baixa de sucesso no Monte é na verdade entre homens de 20 a 30 anos, porque eles pressionam demais e, devido à boa condição física, não se dão conta da quantidade de oxigênio que estão usando para permanecer nesse ritmo. Este é um caso no qual o lento e constante é quem ganha a corrida.

 

Só vale a pena se você chegar ao topo

Correto, você adivinhou. Esta é uma mentira.

Mais do que chegar ao cume, subir o Kili é sobre os amigos que se faz no caminho

Obviamente, chegar ao Topo da África e chegar à famosa placa à 5.895 metros é incrível, contudo, a jornada é muito mais do que se chegar ao cume. Todo dia é uma conquista, então aproveite os momentos e as realizações diárias.

Você fará grandes amizades ao longo do caminho; não apenas com seus companheiros de caminhada, mas também com seus guias e carregadores (eu chorei quando meu carregador, David, caminhou por uma hora e meia extras apenas para me ajudar com a mochila). Além das conexões com o grupo, passar mais de 6 dias caminhando pela tundra da Tanzânia lhe dá muito tempo para aprender sobre si mesmo. Você desliga do mundo exterior – sem mídia social, sem e-mails de trabalho e sem estresse, e se concentra em apenas dar um passo após o outro.

Chegando lá

A GoLocal te leva ao Kilimanjaro com toda a organização, segurança e conforto possível, para que se possa concentrar inteiramente nessa experiência de vida transformadora.

 

Tradução livre do texto e fotos de Charlie Watson